twitter



História da arte greco-romana na antiguidade clássica.

A arte greco-romana liga-se à inteligência, de modo que ao contemplar a Natureza, o artista entusiasma-se pela vida e tenta, através da arte, exprimir as suas ideias e, numa busca constante pela perfeição, cria uma arte de elaboração intelectual.
Aliaram-se estética e ética, politica e religião, técnica e ciência, realismo e idealismo, beleza e funcionalidade. Esteve ao serviço da vida pública e religiosa.
Os artistas preocupavam-se com o realismo e também procuravam exaltar a beleza humana, destacando a perfeição das suas formas. É ainda racionalista, pois reflete nas obras de arte, as observações concretas dos elementos que envolvem o Homem.
Foram provavelmente os gregos micênicos que deram origem, no século VIII a.C., a um período de grandeza estética que marcou toda a civilização ocidental. É encontrado primeiro em manifestações estilizadas na cerâmica e passa a esculturas monumentais, estruturado em segmentos geométricos, como na estátua de mármore Kouros, em que a representação humana é tipicamente ática.
A arte clássica grega, baseada em um sistema de proporções ideais está estabelecido, permitindo a edificação de obras como o Partenon, templo dedicado a Palas Atena, onde a fisionomia dos deuses é derivada de atletas da época. Surgem as primeiras experiências com perspectiva, assinadas por Zêuxis e Polignoto. A sofisticação desse sistema permite, entre os anos 350 a.C. e 200 a.C., que escultores como Lísipo, Apeles e Protógenes dêem interpretações psicológicas a suas figuras, humanizando-as. O ideal de equilíbrio e simplicidade do século V a.C. se torna mais flexível; os traços das faces, o detalhismo dramático das vestes e a disposição das figuras dão individualidade e intensidade às esculturas. 
Com a decadência da arte clássica grega, a arte romana toma seu lugar a partir do século I a.C. Templos como a Casa quadrada, em Nîmes (França), construído em 16 a.C., são derivados diretamente da estética grega. Paralelamente, surge no Império Romano a prática da pintura mural decorativa; em localidades como Pompéia, ela atinge grande inventividade, com ensaios de perspectiva que só serão retomados no Renascimento. A escultura romana, por sua vez, não apresenta evolução significativa em relação à grega.
Essa arte também sofreu duas grandes influências: a da arte etrusca, popular e voltada para a expressão da realidade vivida, e a da grego-helenística, orientada para a expressão de um ideal de beleza.
Embora não haja dúvida de que as obras romanas tenham resultado da aplicação das proporções gregas à arquitetura, também é certo que lhes falta um caráter totalmente próprio, um selo que as distinga. Por exemplo, a partir do século II a.C., os arquitetos da antiga Roma dispunham de dois novos materiais de construção e também modificaram a linguagem arquitetônica que haviam recebido dos gregos, quando acrescentaram aos estilos herdados (dórico, jônico e coríntio) duas novas formas de construção: os estilos toscano e composto.


(Estátua de mármore de Kouros)




(Templo da deusa Atenas, Partenon)

















Por: Giovanna Vital
Revisado por: Melissa Brito

Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/arte-na-antiguidade/arte-na-antiguidade1.php    acesso em: 13/04/2013
http://www.historiadaarte.com.br/linha/grecia.html  acesso em: 13/04/2013
http://www.historiadaarte.com.br/linha/roma.html

1 comentários:

  1. pocha eu to fasendo um trabalho de pesquise sobre essa historia,mas eu achei muito dificil esse texto ai,nao gostei nao.

Postar um comentário